3 – Cheiro Indefinido

Em certas manhãs de sol, que têm um prelúdio de chuva à vista, vem um cheiro indefinido, um cheiro peculiar, familiar.

Ele me faz pensar se terminei de estudar os fichamentos de História. Se a amiga que quebrou o pé jogando vôlei está bem. Se devolvi todas as fitas para a locadora. Será que hoje vai tocar “As long as you love me” na rádio? Se os clipes novos já passaram na TV. Se na banca já chegou a revista com as letras das músicas novas. Se as tarefas estão todas prontas para eu poder passar o resto do dia conversando com a Di.

Foi então que eu entendi porque esse cheiro aquece tanto meu coração… é cheiro de nostalgia, alegria, gratidão.

É cheiro do velho Zênite.

Próximo capítulo: 4 – Tráfego »

« Capítulo anterior: 2 – Cinco Sílabas

ÍNDICE