4 – Tráfego

Sentimentos e companhias assemelham-se ao tráfego: para alguns, o vai e vem é digno de uma grande metrópole; já na vida de outros, o movimento é menor que o de certas cidadezinhas do interior…

Certas afinidades fazem com que se queira seguir por certa via. Quando as incompatibilidades tornam-se insuperáveis, troca-se a rota – e retorna-se ao tráfego.

Estar em meio ao tráfego é desconfortável e incerto. Por vezes parecemos estar em uma hora do rush sem fim.

Na verdade, o que todos nós queremos é um local seguro para estacionar.

Próximo capítulo: 5 – A louça e o mundo »

« Capítulo anterior: 3 – Cheiro Indefinido

ÍNDICE